Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas… Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, “caçoei” das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um “ahaha, você está doente e eu não”. Na verdade foi mais um “nossa, ele tá doente e eu tô na boa!”.

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo dos meus 16 anos) é a famosa água gelada.

Que irônico.

Mas tudo bem, tudo bem. Eu supero isso. Eu congelo meus órgãos, mas eu supero. Daqui alguns dias vai ter passado (ou não) e vou poder ficar um minuto sem tossir ou algo assim.

ABAIXO AOS VÍRUS DAS MINI-GRIPES!

Letícia Wilhelm

Escritora, formada em Letras e professora de língua inglesa. Gostaria de rodar o mundo e, mais ainda, criar um próprio para que outros possam visita-lo. Curte observar as pequenas coisas da vida e às vezes contá-las em histórias. Gosta de café e chocolate, de ver a chuva caindo e das tardes laranjas de outono.

0 thoughts on “Eu odeio gripe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *