Como incentivar as crianças a lerem?

Como incentivar as crianças a lerem?

Um desafio de pais e educadores: incentivar suas crianças a lerem. Quantas vezes não ouvi história de crianças que não se interessavam por ler, ou tive colegas de classe que não queriam ler? E, mais ainda, fui professora e via alunos que não gostavam de leitura. Qual será a grande questão por trás dessa resistência? Por que é tão difícil fazer as crianças lerem? Como fazê-las gostar de livros? Perguntas demais, vamos começar pelo princípio.

Por que as crianças não leem?

Para chegarmos às soluções (como) temos que começar com os “porquês”, não é? Então, aqui faço uma observação: o adulto próximo à criança em questão lê? Se a resposta for “não” ou “pouco”, já começamos a entender o problema. Por quê? Um fato sobre o ser humano que vale a pena mencionar, pois é a base dessa questão: nós somos seres sociais que gostam de agir por imitação, mesmo que inconscientemente. O famoso comportamento de manada: Se todos ao meu redor lerem, eu vou sentir um incentivo para ler.

Leia para as crianças e converse sobre o livro com elas

Sabe onde você vê isso? Academias. Quantas academias não abriram e quantas pessoas não foram se inscrever, vendo outras fazendo isso também? É um hábito a se imitar completamente válido e saudável, inclusive! Mais especificamente com crianças, se você observá-las verá que elas gostam dos mesmos desenhos ou jogos, querem usar tipos de roupas e modismos parecidos. É a busca por se identificar e se sentir parte de um grupo.

Inclusive, as crianças começam a aprender a falar, por exemplo, imitando. Então, além de ensiná-las a falar, talvez fosse interessante ensiná-las a gostar de livros, não? Por isso, se ela estiver em um ambiente que a leve a imitar o hábito de leitura, ela vai ler. Como criar esse ambiente?

Criando o ambiente apropriado

Para incentivar as crianças a lerem, é interessante ler seus livros perto delas, ou ler para e com elas. Isso fará com que, desde cedo, elas tenham o exemplo de ser leitor. Parece óbvio, mas não é. Se você fala para alguém “você precisa ler” mas você não está fazendo isso, a pessoa não vai te levar a sério.

Deixe que elas escolham, toquem nos livros, desde bebês

Leve a criança para uma livraria ou biblioteca e deixe ela olhar os livros, tocar e sentir suas páginas e texturas. Ajude-a a explorar as opções, pegando alguns títulos na mão e mostrando para ela. Faça perguntas sobre o que a criança acha que pode ser interessante naquela história.

Se você começar antes disso ainda, quando a criança é na verdade um bebê, e expor ela a livros com cores, texturas e todas as interações que estimulam o seu desenvolvimento, a próxima etapa será ainda mais fácil. Aliás, deixe os bebês aprenderem a virar páginas, também. Não sou contra usarem touchscreen, afinal é uma coisa que o mundo de hoje faz o tempo todo, mas ensine essa outra parte de habilidade motora também, ok?

Sente-se todos os dias para ler um livro para a criança e converse com ela sobre o que está acontecendo na leitura. Conforme ela aprender a ler, deixe ela se aventurar sozinha nos livros para sua faixa etária, mas mantenha o hábito de ler para ela com livros com um grau de complexidade um pouco maior. Por exemplo: eu tinha sete anos e leram para mim Harry Potter e a Pedra Filosofal, um livro infantil mas mais complexo para uma criança ler completamente sozinha.

Como escolher livros para crianças?

Não é muito diferente do que escolher para qualquer idade. Primeiro, saiba a idade da criança, logicamente. Se for muito pequena, precisa ser um livro altamente sensorial e lúdico, com menos texto. A interação dela vai ser com o tocar e ver, enquanto ouve você lendo o texto.

Conforme a criança começa a aprender a ler, os livros ficam cada vez com mais texto. Observe a idade e o quão avançada na leitura a criança está. E é importante também ver o interesse da criança. Normalmente, quando novinhos, eles aceitam “qualquer livro”, desde que pareça bonito, por exemplo. Mas conforme ficam um pouco mais velhos e os livros possuem mais páginas e mais texto, é importante começar a pensar nos interesses da criança.

Não se esqueça do que falei antes: você pode apresentar livros mais “complexos”, ou infanto-juvenis como um Harry Potter, ou clássicos com temática mais infantil (como Pollyanna). Você pode até ir além: minha mãe leu Jules Verne pra mim, o que me ajudou a desenvolver pensamento crítico e imaginação desde criança. Sabendo escolher algo compatível com uma criança (não vamos colocar algo pesado cheio de morte e violência, ou algo extremamente existencialista, por exemplo) e se dispondo a explicar e ajudar a criança a questionar, só há benefícios em introduzir outros livros para eles!

Como incentivar as crianças a lerem nas escolas

Incentive as crianças a lerem e compartilharem seus pensamentos

O ideal é a escola ter uma biblioteca atraente, com alguma diversidade de títulos e livros fáceis de serem acessados. Pode ser decorada, inclusive até pelos próprios alunos. E os professores levarem os alunos lá, para ter esse momento que descrevi antes: explorar as opções, discutirem o que pode acontecer nos livros e até ouvirem a história ser contada por alguém. Em meu estágio, vi turmas que sentavam-se na biblioteca para discutir os livros que escolheram ler naquele mês ou na quinzena.

Porém, nem todas podem proporcionar isso. Muitas escolas, nós sabemos, mal têm carteiras para os alunos. Como podemos resolver isso, então?

Pensando grande: cobrando de verdade, com propostas reais e com votos melhores, que os responsáveis pela educação e cultura do país invistam nas escolas e proporcionem este material para os professores – e para que sejam formados professores cada vez melhores!

Mas, em uma forma mais direta e prática: você pode ser o exemplo de crianças próximas a você. Pode doar livros para escolas, casas de acolhimento, creches. Pode criar rodas de leitura – no momento, online, a gente sabe -, o céu é o limite! Quanto mais leitores se dispuserem transformar a vida de outros por-fora, mais pessoas poderão aproveitar o maravilhoso mundo da literatura e todo o conhecimento que ele tem a oferecer.

Letícia Wilhelm

Escritora, formada em Letras e professora de língua inglesa. Gostaria de rodar o mundo e, mais ainda, criar um próprio para que outros possam visita-lo. Curte observar as pequenas coisas da vida e às vezes contá-las em histórias. Gosta de café e chocolate, de ver a chuva caindo e das tardes laranjas de outono.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *